samuelcamelô@hotmail.com,suelinascimento06@hotmail.com

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

PARCERIA DA COMUNIDADE COM A UNIVERSIDADE (link para o site da Folha)

Olha que experiência interessante! Pode e deve ser copiada!

Urgente: chamem os universitários

Desde 2006, um grupo de universitários dos mais diferentes cursos está apoiando escolas públicas da periferia de Belo Horizonte. A iniciativa acaba de entrar na história social por causa de um relatório sobre a experiência elaborado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Num projeto batizado de Escola Integrada, a prefeitura de Belo Horizonte ampliou a jornada escolar, oferecendo oficinas (artes, comunicação, lição de casa, reforço escolar, ciências, matemática) em diferentes espaços da comunidade. Parques, praças, clubes, igrejas, por exemplo. Para gerir essa movimentação, cada escola formou um professor comunitário. As oficinas são dadas pelos universitários, que ganham uma bolsa e são orientados por um professor de seus respectivos cursos.

Depois de seis meses de avaliação, os pesquisadores da UFMG concluíram que os estudantes das escolas públicas desenvolveram maior apetite pelo conhecimento e respeito pelos professores; passaram a ler mais e entender melhor o que lêem. Até mesmo aprenderam a se alimentar melhor e cuidar da higiene. Note-se que estamos falando das escolas com as crianças mais vulneráveis.

A chave não é apenas a ampliação da jornada escolar, mas a montagem das redes ( saúde, cultura, assistência social) pelo professor comunitário combinada com o prazer de ensinar dos universitários, desde que monitorados e com um material pedagógico estimulante.

Diante dos resultados apontados pela pesquisa, cujo resumo está em meu site (www.dimenstein.com.br), um governante não tem o direito de desconhecer a experiência. Muito menos os prefeitos que acabam de ser eleitos e prometeram melhorar a educação.

Gilberto Dimenstein, 52, é membro do Conselho Editorial da Folha e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário da Folha. Escreve para a Folha Online às segundas-feiras.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

DOCUMENTÁRIO SOBRE PAULO FREIRE (link)



Um documentário sobre Paulo Freire pode ser acessado e baixado no site Domínio Público.O documentário foi dirigido por Toni Venturi e produzido pela TV Escola, emissora da Secretaria de Educação à Distância do Ministério da Educação.O documentário é belíssimo e muito bem produzido, ele permite conhecer melhor o educador Paulo Freire e sua trajetória, bem como entender os princípios da Educação Popular. Vale a pena assistí-lo! É fácil e rápido o download e está intitulado Vídeo Paulo Freire Contemporâneo!

Esse endereço eletrônico leva você direto ao documentário e é só clicar em baixar, primeiro a parte 1 e depois a última. Ah! tem uma versão com a linguagem para deficientes visuais e auditivos, em LIBRAS.

http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=99980

http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=99981

FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO 2009 (link)

FÓRUM MUNDIAL DE EDUCAÇÃO 2009 - BELÉM/PA

Com a mesma metodologia já desenvolvida na edição do Fórum Mundial de
Educação (FME) de Caracas, Venezuela, em 2006, a VI edição do FME-2009
acontecerá de 26/1 a 01 de fevereiro, em Belém do Pará, Brasil, inserido
no âmbito do Fórum Social Mundial (FSM).

Com a mesma metodologia já desenvolvida na edição do Fórum Mundial de
Educação (FME) de Caracas, Venezuela, em 2006, a VI edição do FME-2009
acontecerá de 26/1 a 01 de fevereiro, em Belém do Pará, Brasil, inserido
no âmbito do Fórum Social Mundial (FSM). O FSM é movimento que reúne e
acolhe todas as causas globais em favor dos desfavorecidos, excluídos e
injustiçados. Além de propor a construção de "um outro mundo possível" sem
as amarras da globalização neoliberal.

As atividades autogestionadas relativas à área de Educação inscritas no
FSM são selecionadas, aglutinadas e organizadas em blocos temáticos
constituindo a grade de programação do VI FME, ocupando espaços e períodos
devidamente identificados dentro da programação geral, o mesmo acontecendo
com os demais fóruns e eventos nacionais e internacionais associados ao
FSM. Ou seja é o conjunto desses encontros organizados por diferentes
segmentos dos movimentos sociais, entidades, instituições e grupos, formam
o grande fórum desde Porto Alegre-Brasil, Caracas-Venezuela, Nairobi-Kenia
e, agora, Belém-Brasil.

Os eixos temáticos que serão discutidos durante o VI FME são: Educação,
Desenvolvimento, Economia Solidária e Ética Planetária; Educação Cidadã:
Inclusão e Diversidade; Educação, Direitos Humanos, Cooperação e Cultura
de Paz; Educação, Meio Ambiente e Sustentabilidade; Educação de Jovens e
Adultos na Perspectiva da Educação Popular; Educação Emancipatória no
contexto da comunicação e das tecnologias.

Haverá ainda duas conferências com os temas "Educação e Transgressão na
construção da Cidadania Planetária" e "Educação, Diálogo e Utopia:
Identidades Culturais em conflito", a serem realizadas respectivamente nos
dias 26 e 27 de janeiro. Também no dia 27 acontece uma mesa sobre a
Conferência Internacional da Unesco em Educação de Adultos (Confintea), a
ser realizada no Brasil, em maio próximo.

AS INSCRIÇÕES PARA PARTICIPANTES E PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS/PÔSTER JÁ ESTÃO DISPONÍVEIS NO SITE www.forummundialeducacao.org

Extraído do site:http://www.recid.org.br